Agaria

A região de Agaria abriga alguns dos maiores reinos humanos de Etheria.

Inicialmente os humanos que se estabeleceram em Agaria eram bárbaros nômades Aryans (das terras de Ar). Enquanto várias tribos viajaram até as Planícies de Ar, cinco tribos se estabeleceram na região, e elas estavam em constante guerra. Eram elas: K’Elenak, a Tribo do Carvalho, K’Irin, a Tribo do Unicórnio, K’Eira, a Tribo do Machado, K’Bar, a Tribo da Coroa Dourada e K’Ildan, a Tribo do Texugo. Conhecidas coletivamente como Agars, as tribos estabeleceram fronteiras simples entre si.

K’Elenak habitavam as florestas a oeste, onde eles reverenciavam carvalhos sagrados.

K’Irin procuraram terras férteis entre os dois braços do Rio Barton, onde dizem que unicórnios viviam desde o surgimento do mundo.

K’Eira foram para o norte, nas terras dos trolls.

K’Bar, a mais numerosa, ocupou a terra no centro de Agaria

K’Ildan foram para algum lugar do sul.

Algum tempo depois, exploradores elfos chegaram a Agaria, mas foram em sua maioria mortos por selvagens K’Elenak e K’Bar. Os que escaparam foram atacados quando passaram pelo território dos K’Eira ao tentar fugir pelo norte. Nesses conflitos, os K’Elenak, copiando os elfos, começam a criar arcos, tornando-se perigosos e temidos.
A tribo K’Ildan descobre veios de ouro revelados por terremotos, e começa a comercializá-lo com as outras tribos, especialmente os K’Bar.
Os K’Irin encontram os anões na Montanhas de Agaria, e o contato é pacífico e começa a surgir comércio.

Enquanto isso, o Império Lysean, já uma civilização humana mais avançada, decide conquistar a Agaria, mas são forçados a recuar das florestas ocidentais pelos ferozes arqueiros K’Elenak. Nos anos que se seguem, o Império faz mais quatro tentativas desastrosas de dominar a região.

Um membro da tribo K’Irin, Marthos, o Explorador, parte numa longa jornada. Ele viaja para o sul, passando pela Terra das Fronteiras e pelo Império Lysean, descobrindo muito sobre civilização, governo e comércio. Quando ele retorna à Agaria, ele ensina aos membros de sua tribo o que aprendeu.
Gradualmente, os K’Irin abandonam seus costumes nômades e começam a construir vilas. Marthos então se torna o primeiro rei dos K’Irin, ele ordena a construção de um grande castelo e conta com a ajuda dos anões da cidadela de Khaz Agar. Eles trabalham por 120 anos, e quando completada, a grande cidadela é nomeada Marthos, em honra ao grande líder que ordenou sua construção.
Nos anos que se seguem, até a época atual, algumas batalhas ocorrem entre as cinco tribos, mas pouca mudança de fronteiras ocorre. As demais tribos seguem o exemplo de K’Irin e constroem cidades próprias. Entretanto, nenhuma é construída por anões, sendo somente imitações inferiores de Marthos.

As línguas dos Agars sofrem mudanças nesse período. Eventualmente eles nomeiam seus reinos: K’Irin vira Siria, K’Elenak vira Elenia, K’Eira vira Theria, K’Bar vira Bartonia e K’Ildan vira Gildor.

Agaria

Lágrimas de Etheria FabioVMFloresta